Retomada da economia brasileira vai ser gradual e enfrentará desafios, afirma pesquisadora da FGV

dezembro 18, 2019 - 12:45 pm

25 de novembro de 2019 – 14:48

O Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro deve fechar com crescimento de 2,0% em 2020 e este ano o índice atingirá 1,1%. A inflação, em 2019, ficará em 3,8% e no próximo ano em 3,9%, enquanto que a taxa de juros esperada será de 4,5% em ambos os anos. Já a retomada da economia brasileira vai ser gradual e enfrentará grandes desafios. As estimativas são da pesquisadora do Instituto Brasileiro de Economia (Ibre) da Fundação Getúlio Vargas (FGV) Sílvia Maria Matos, ao abordar o tema “Perspectivas Econômicas do Brasil para 2020”, em mais uma edição do XIII Fórum Ceará em Debate Ipece/Seplag, realizado na manhã de hoje (25), no Auditório da Secretaria de Planejamento e Gestão (Seplag) do Governo do Estado do Ceará. O evento é uma promoção conjunta do Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará (Ipece) e do Observatório do Federalismo Brasileiro.

Para um auditório lotado de economistas, gestores, professores e secretários de estado, a Pesquisadora do Ibre/FGV, observou que, após um período de maior pessimismo quanto ao desempenho futuro da economia, o quadro atual mostra uma melhora bem gradual da confiança. Mas, advertiu: “se por um lado há sinais de retomada, por outro fica claro que ela é muito heterogênea e desigual”. Ela explicou que os desafios para a aceleração do crescimento permanecem e são difíceis de serem resolvidos em um ambiente político conturbado e acrescenta que o ajuste fiscal ainda não está consolidado e que existe uma baixa produtividade da economia e ineficiências microeconômicas, Durante a palestra, Silvia Matos fez uma análise tanto da economia mundial bem como da brasileira.

Ela afirmou, categoricamente, que, assim como em períodos de consolidação fiscal verificados no passado, o ajuste fiscal continua penalizando os investimentos públicos. Para mudar essa trajetória, segundo Sílvia Matos, é importante que se avance na agenda de reformas estruturais de redução de todas as despesas públicas. “A contenção do gasto primário, a redução do crédito público e dos subsídios creditícios (aprovação da Taxa de Longo Prazo -TLP) permitiram a queda dos juros reais da economia. A manutenção deste novo equilíbrio depende da redução dos gastos públicos como proporção do PIB”. A Pesquisadora do Ibre/FGV ressaltou que o equilíbrio macro é uma condição necessária, mas não suficiente para crescimento econômico, e que a agenda de reformas micro para o aumento de produtividade é fundamental para elevar o crescimento potencial. No entanto, “ainda há muito a ser feito”.

O professor Flávio Ataliba, secretário Executivo de Planejamento e Orçamento da Seplag, ao abrir os trabalhos juntamente com o diretor Geral do Ipece, João Mário Santos de França, ressaltou a importância do Encontro – agora uma realização do Observatório e do Fórum Ceará em Debate – que tem promovido a análise de temas atuais, tanto local como nacional. O também professor João Mário, ao abordar o tema “Mercado de Trabalho, Desigualdade e Pobreza Monetária: Evidências para o Ceará e Brasil 2012/2018”, ressaltou, dentre outros números, que a taxa de desocupação (pessoas de 14 anos ou mais) no Ceará, de 11,5% em 2018, é menor do que a do Nordeste (14,5%) e do Brasil (12%). Em 2017, a taxa cearense era de 12,3%, do Nordeste de 14,6%, e do Brasil de 12,5%. Já o rendimento domiciliar per capita do Ceará passou de R$ 830,00, em 2017, para R$ 848,00, em 2018, menor que a do Brasil (RS 1.337,00), mas superior a do Nordeste, de R$ 815,00.

“Raízes das Desigualdades Regionais no Brasil”, foi o tema da palestra do presidente da Datamétrica Consultoria, Pesquisa e Telemarketing, Alexandre Rands Barros, que durante o evento lançou livro com o mesmo título. Após mostrar a importância de cada região brasileira e evidenciar os números do PIB, população e PIB per capita em cada uma delas, Alexandre Barros destacou que existem três hipóteses principais para explicar as desigualdades regionais brasileiras: visão estruturalista; visão educacional e visão institucionalista. A primeira – frisou – conclui que políticas têm que elevar estoque de capital físico no Nordeste, principalmente na indústria, para reduzir as disparidades regionais (criação de mecanismos de acumulação de capital específicos para a região e/ou incentivos para a transferência de outras regiões).

A segunda visão, ou seja, a educacional – defendida, inclusive, por ele -, afirma que somente investimento maciço em educação pode eliminar as desigualdades regionais, uma vez que incentivos ao investimento local em capital físico não adianta. Já a terceira, de acordo com Alexandre Barros, conclui que somente modernização institucional, com mudança do sistema de representação política poderia reduzir as desigualdades regionais. Para ele, a mais importante política para eliminação das desigualdades regionais no Brasil é a equalização do nível de formação educacional da população, que tem ocorrido, mas de forma lenta. “Os investimentos em educação no Brasil, contudo, ainda são muito desiguais entre estados e municípios dentro do mesmo estado. Essa disparidade de gastos tenderá a reproduzir as desigualdades regionais no futuro” – concluiu.

 

Assessoria de Comunicação do Ipece
(85) 3101.3509